O que tem em um bom texto

Neste texto eu quero conversar com você sobre comunicação, principalmente sobre comunicação escrita. Isso porque, mesmo com todo o advento da tecnologia, a maior parte da nossa comunicação continua sendo escrita. A gente consome vídeos, podcasts e tantas outros tipos de conteúdos, mas ainda continuamos dependendo muito dos textos para nossa comunicação.

Você pode acessar esse conteúdo em vídeo em: https://www.youtube.com/watch?v=5KQQ_yt5iZA

Provavelmente você também precisa ou já precisou escrever para se comunicar, seja um bilhete, uma carta ou um e-mail. Por isso, nessa série, quero falar com você sobre como escrever textos melhores, mais interessantes e que atinjam melhores resultados.

Eu estou convencido de que, quando há um problema de comunicação, é sempre muito mais provável que a falha esteja na emissor do que no receptor. Inclusive essa é uma teoria do ramo de telecomunicações.

Assim, é interessante perceber que, para ser melhor compreendido, é mais fácil você trabalhar melhor seus textos, sob os quais você tem controle, do que esperar que as pessoas melhorem a percepção delas, que é uma coisa que você não pode controlar.

Planejando o texto

O primeiro ponto a observarmos é que para escrever um bom texto, eu preciso responder algumas perguntas:

1- O que eu quero dizer?
Qual é o objetivo que eu tenho para escrever este texto?
2- Para quem eu estou dizendo?
Quem é o meu público, o meu destinatário, enfim, quem é o meu leitor?
3- Como eu pretendo dizer?
Quais os caminhos, os tipos de texto e recursos que eu vou usar?

Além disso, um bom texto informativo tem que ser capaz de responder as seguintes perguntas:
O que?, Como?, Quando?, Onde? e Por que?

Se essas informações estiverem disponíveis, o leitor consegue entender melhor a mensagem que o autor quis passar.

O problema é que, muitas vezes, por escrever com pressa, nossos textos acabam não respondendo algumas dessas perguntas, ou as responde apenas em parte. Na maioria das vezes, isso acontece porque a gente supõe que o leitor já sabe aquelas informações e é aí que mora o perigo.

Você com certeza já deve ter lido um texto assim, que no final da leitura te deixou com muitas dúvidas.

Um exemplo para entender melhor

Veja o exemplo de bilhete abaixo:

É um texto bonitinho e simpático e talvez, numa primeira leitura, até pareça completo. Mas vamos nos fazer algumas perguntas sobre a informação que ele trouxe?

1- Quando será a festa?
“No próximo domingo”, mas que domingo é esse? O que acontece se eu receber o bilhete atrasado? Seria importante haver uma data.
2- Onde será a festa?
Será na própria escola, em algum salão ou em outro espaço?
3- Em que horário a festa vai acontecer?
O bilhete não indica nem horário de início nem de término da atividade.
4- Quando o autor pede ajuda, que tipo de ajuda é essa?
Não fica claro se a festa terá atividades pagas, se a escola deseja receber doações ou como é possível contribuir.

Percebeu que, quando a gente dá “a primeira olhada”, esse bilhete parece bom, mas conforme a gente vai olhando com mais atenção vai localizando os problemas? É por isso que é tão importante revisar.

Claro que imagina-se que outros bilhetes tenham sido encaminhados pela escola para os pais com mais informações. Entretanto, não é possível confirmar que eles leram e compreenderam todos os bilhetes anteriores. Por isso, é importante que a informação esteja sempre completa.

Não imagine que seu leitor já sabe as informações, garanta que elas estão disponíveis.

Para finalizar

Se você tem dificuldades em escrever, comece fazendo um planejamento do seu texto de forma que você saiba claramente o que você quer dizer, para quem você vai escrever e como pretende que seja seu texto. Em seguida, garanta que seu texto responda as questões básicas que você imaginou quando começou a escrever. Por fim, revise seu texto.

Seguindo esses três passos, certamente sua redação será muito melhor e inteligível.

E lembre-se, não importa a sua função, quando você escreve, o seu texto é a cara local de onde você está falando. Ele é a sua cara, a cara da sua empresa ou instituição.

Além disso, um bom texto aumenta a produtividade e reduz o estresse, porque quem lê não precisa ficar correndo atrás de mais informações e, quem escreve, não precisa ficar parando para explicar o que quis dizer.

Agora que você já sabe por onde começar, escreva. Quanto mais você treinar, melhor você vai ficar nisso.

Compartilhe com seus amigos
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

Um Trackback

  1. Por O foco é o leitor - Rodrigo Santos Rodrigo Santos em 15 de junho de 2020 às 18:01

    […] Se você ainda não leu o primeiro texto da série “Como Escrever Melhor”, acesse ele clicando aqui. […]

Comente

*
*