A Lenda do Corpo Seco

Publicado por em 14 ago 20. Folclore

Os mais antigos contam que, quando uma pessoa é realmente muito ruim, para pagar por seus crimes, tem um destino pior do que a morte: quando essa pessoa morre, fica condenada a vagar pelo mundo com seu corpo em decomposição. Esta assombração é chamada de corpo seco.

Essa lenda é muito comum nos estados de São Paulo, Minas Gerais e da região Centro-Oeste, mas tem versões em todo o país.

A criatura medonha retira sua energia da vida de outros seres, por isso, durante o dia o corpo seco permanece grudado em troncos de árvores que secam rapidamente. Mas, como ele prefere as vítimas humanas, caminha durante a noite pela mata, procurando algum viajante perdido.

Assim, se perto de onde você mora, perceber que há uma árvore que secou em pouquíssimos dias, é provável que haja um corpo seco rondando a região.

As histórias têm muitas variações. Em algumas delas, o monstro sobe nas costas do viajante, usando o coitado como uma montaria. Em outras, o corpo seco, também chamado de unhudo, crava suas grandes unhas infectadas na vítima e rouba sua energia, isso também pode acontecer com um abraço mortal. Há ainda versões em que o corpo seco bebe o sangue da pessoa capturada, como um vampiro.

O que as lendas contam em comum é que quando a aparição segura alguém só é possível se soltar dando uma surra nele com uma vara de marmelo abençoada.

Relatos da Lenda

Existem muitos casos contados sobre pessoas que viraram corpos secos:

Há a história de menino Marcelo, malvado e muito mal criado, desrespeitava os pais e batia na própria mãe. Quando morreu, a terra não quis receber seu corpo e por isso tornou-se um monstro.

Uma outra história é de um outro menino cujo pai trabalhava na lavoura. Certo dia, o pai esqueceu de levar marmita e, na hora do almoço, a mãe pediu para o garoto levar comida para o pai. A mistura do dia era coxa de frango que o menino adorava, então ele parou debaixo de uma árvore, comeu a carne e levou apenas o osso na marmita para o pai. O pai perguntou o que tinha acontecido e o menino, com medo de apanhar, disse que a mãe estava com outro homem em casa e tinha dado a carne para esse homem e mandado os ossos roídos para o pai. O homem, cego de ciúmes voltou para casa e matou a mulher. Mas antes de morrer, ela amaldiçoou quem tivesse inventado essa calúnia. E o filho, tornou-se a assombração.

Também conta-se a histórias de vários senhores de terra que eram injustos, mesquinhos e malvados com seus escravos e funcionários. Trocavam qualquer coisa por dinheiro e visavam o lucro acima de qualquer vida. Todos esses, tornaram-se corpos secos.

Tem ainda uma história de uma mulher muito avarenta que ao morrer tornou-se um corpo seco e ficou guardando o chiqueiro para que ninguém roubasse seus porcos. Essa é a única versão que ouvi em que uma mulher se tornava corpo seco.

Sabemos que a maldade corrói a alma do ser humano, mas essa lenda leva isso ao extremo. Por isso, cuide de suas ações, seja bom e, caso tenha que andar por matas desertas durante a noite, por precaução, leve sua varinha de marmelo.

Compartilhe com seus amigos
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Print this page
Print

Comente

*
*